sábado, fevereiro 09, 2008

Fragmentos

Um puto em bicos de pé, todo esticadinho, todo contente por conseguir chegar ao bebedouro, mete a mão na torneira, cara de felicidade, roda a torneira, abre a boca e... SPLASH, a água acerta-lhe em cheio no olho... Cara de afogado, como se tivesse ficado enrolado numa onda na praia.

A tarde começou com a Lei de Murphy a funcionar em pleno. A máquina fotográfica tem sempre pilhas, excepto quando preciso dela...

Tropecei num jardim. Não estava num jardim quando tropecei, tropecei no próprio jardim.

Vinha eu do parque do bonfim, quando olhei e vi uns arcos.

Boa esplanada, relva verde, muito espaço, lago no meio (este não tem peixes. Tem barcos), meninas a passear ao sol... Tudo o que é preciso. Só os putos é que podiam fazer um bocado menos de barulho.

Mais tarde vim a saber que os arcos são o que resta do antigo aqueduto de Setúbal. O jardim está onde antes era o estádio do Vitória, que se chamava oportunamente Estádio dos Arcos. E já agora, o jardim chama-se Jardim da Algodeia. Tal como o restaurante Retiro da Algodeia, onde se come um peixe grelhado fantástico :).


Tenho a sensação que não me vai custar muito passar várias tardes sem fazer nada, simplesmente a apanhar Sol, num parque, junto ao rio ou não, a ler, dormir, ouvir música, ver umas miúdas, comer um gelado, tirar umas fotos (quando a Lei de Murphy me permitir)... A vida é dura.
Enviar um comentário